Planejamento financeiro: Quais são os 5 fatores indispensáveis na hora de fazer na sua empresa

Planejamento financeiro: Quais são os 5 fatores indispensáveis na hora de fazer na sua empresa
Publicado em 20/04/2016 - Atualizado em 08/10/2020 | Planejamento Orçamentário

Gerir uma empresa não é uma tarefa fácil. É preciso ter conhecimento de tudo que acontece dentro dela e, sobretudo, ter organização. Quem está à frente da administração de uma instituição, sabe que ter o controle é fundamental para alcançar os objetivos que foram determinados. O dinheiro que faz a roda girar e o planejamento auxiliam os gestores a terem a real dimensão do que será investido e todas as despesas que a empresa terá ao longo do ano. Esse é o primeiro passo para fazer um planejamento financeiro

Veja os 5 fatores indispensáveis para você utilizar na hora de elaborar um na sua empresa:

 

Projeção de vendas

É natural que a empresa faça uma projeção de quanto irá vender ao longo do ano. São as famosas metas de vendas. Porém, se isso não for bem estruturado, acaba sendo falho no final das contas. A melhor forma é fazer a projeção de cenários baseada no histórico de vendas da empresa e equiparar com as metas do ano, para depois realizar os ajustes entre o realizado e o planejado através do forecast

 

Controle orçamentário das unidades e centros de custo

Com todos os materiais listados, orçados e dispostos no planejamento, está na hora de olhar mais atentamente para os seus centros de custo. Um setor se comporta diferente dos outros e, portanto, é preciso analisá-los separadamente. No seu planejamento financeiro, a empresa deverá determinar o orçamento para cada centro de custo, baseando-se no histórico de despesas dos mesmos e acompanhar se eles estão evoluindo de acordo com o esperado. Para o controle mais detalhado dos gestores, é importante saber se um setor está gastando mais que outro, para então fazer os ajustes necessários.

O mesmo princípio deve ser utilizado em relação as unidades. Quando se possui filiais ou ramificações em outros estados, a tributação pode variar e, com isso, prejudicar as finanças da empresa. Cada unidade deve ter seu orçamento personalizado, levando em consideração as variações de impostos e outros encargos, para que os mesmos possam ser projetados no planejamento financeiro e não gerar furos no seu controle orçamentário.

 

Faça o cálculo das despesas

Antes de fazer o planejamento financeiro, é preciso fazer um levantamento de todas as despesas que a empresa tem e poderá vir a ter. Existem as despesas fixas e as variáveis, porém todas devem estar devidamente registradas para que você possa ter o controle das mesmas. Normalmente, os gastos mensais se dividem em despesas: operacionais, com pessoal, materiais e outros. E há aquelas que podem ser planejadas como investimentos em obras, contratações, troca de materiais e etc.

É natural pensar que é necessária uma reserva para despesas adicionais, mas quando se há um planejamento e, se este for bem estruturado, é difícil acontecer imprevistos já que você realizou as previsões necessárias. Por isso, foco no planejamento.

 

Faça o cálculo de volumes e custos

Ainda falando sobre despesas, é necessário que a empresa tenha conhecimento dos custos de todos os seus componentes. Dependendo do segmento de negócio, como no caso de indústrias e empresas agrícolas, há uma série de gastos com insumos, matérias-primas, maquinário e com despesas internas menores, que devem ser contabilizadas com rigor.

Quando tais empresas trabalham com materiais em larga escala, como nos segmentos exemplificados acima, é preciso ter controle dos volumes e custos de cada item, para que os mesmos possam ser projetados ao longo dos meses no planejamento financeiro e assim, a empresa ter total visão de qual será o impacto deles no fluxo de caixa. 

 

De olho nas despesas com a folha de pagamento

Outro fator que deve ser levado em consideração na hora de fazer o planejamento financeiro, é a despesa com pessoal. Cada categoria tem um piso salarial, além dos benefícios que a empresa normalmente fornece como vale refeição, vale transporte, plano de saúde, entre outros.

Aliado a esse custo, a instituição tem que projetar os encargos, como férias, 13º salário, bonificações e uma série de outras despesas, que podem parecer mínimas a cada mês, mas, se somadas, causam um grande impacto no fluxo de caixa no fim do ano. Entenda como o planejamento de RH funciona. 

 

E agora, como fazer?

Com esses 5 fatores indispensáveis para fazer um planejamento financeiro, foi possível elucidar o que é necessário para utilizar tal ferramenta na sua empresa. Porém, pode parecer mais difícil do que realmente é. Hoje em dia, há softwares de planejamento orçamentário no mercado, que minimizam os esforços manuais com a parametrização de dados. Além disso, oferecem muitos recursos como controle de fluxo de caixa, projeção de cenários, controladoria por centros de custo, unidades de negócios e equipe. Com o aplicativo certo, é possível desenvolver todas as ações que citamos nesse artigo e realizar um planejamento financeiro completo, que irá trazer frutos positivos à sua empresa. 

Leia Também

Como o planejamento estratégico ajudou o Olist a expandir seus negócios em 2020

27/10/2020

Como o planejamento estratégico ajudou o Olist a expandir seus negócios em 2020

Crises, incertezas, flutuações na economia e até mudanças repentinas. Os altos e baixos fazem parte do ciclo de vida na gestão de empresas duradouras. E, se por um lado vemos algumas sucumbirem à pressão e às situações adversas, de outro vemos empresas que não apenas resistem às crises, mas se reestruturam e crescem diante delas. [Leia mais]

Ensino Superior: Como evitar erros ao planejar o orçamento de 2021?

20/10/2020

Ensino Superior: Como evitar erros ao planejar o orçamento de 2021?

Não há dúvidas que o setor educacional foi um dos mais afetados pela quarentena e o isolamento social, e o que teve que mais rapidamente se adaptar e buscar soluções. Os desafios foram muitos e os mais resilientes foram os que avançaram na transformação digital de suas instituições. [Leia mais]

Fluxo de caixa: direto versus indireto. Qual é a melhor escolha para o seu negócio?

28/09/2020

Fluxo de caixa: direto versus indireto. Qual é a melhor escolha para o seu negócio?

a Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) é um dos mais importantes instrumentos de análise financeira de uma empresa moderna. Nela, ficam evidentes as principais alterações ocorridas ao longo de determinado período no caixa e no equivalente de caixa. Esses dados permitem que gestores e decisores identifiquem tendências precocemente e ajam com rapidez quando necessário. [Leia mais]

Sobre a Allstrategy

A AllStrategy possui uma vasta experiência em transformar a gestão orçamentária de diversas empresas. No blog, reunimos o melhor conteúdo, com artigos exclusivos, que farão parte do seu dia a dia.