Forecast: Como e por que usar no processo decisório

Forecast: Como e por que usar no processo decisório
Publicado em 03/11/2020 - Atualizado em 03/11/2020 | Cenários e Revisões

Não há dúvidas de que adivinhação ou achismo são péssimas maneiras de tomar decisões sobre processos e condução de um negócio ou orçamento empresarial. Entretanto, grande parte das empresas - por não possuírem dados suficiente - fazem exatamente isso. Já que bons resultados não surgem em um passe de mágica, é preciso que a gestão de uma empresa seja levada a sério em todas as etapas, principalmente no forecast.

Forecast, literalmente, significa previsão. Trata-se de um método que usa dados históricos somado ao que se tem planejado para, a partir disso, identificar padrões e fazer estimativas. O objetivo principal é prever a direção de tendências futuras e, dessa forma, tomar decisões mais assertivas, além de potencializar a possibilidade de alterar o futuro de forma que traga vantagens para a empresa.

Por exemplo: as empresas realizam em abril a análise do forecast do 1º trimestre. Neste momento, é observada a DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) com dados realizados efetivamente até março. Então, é possível prever como o será o restante do ano se foram mantidos os planejamentos originais. Isso traz respostas importantes sobre o andamento da gestão, e também sobre a necessidade de revisão orçamentária. 

Em outras palavras, independentemente do tamanho e do segmento em que o negócio está inserido, o forecast pode ser utilizado como base para planejar como o orçamento será alocado. Com isso, pode ser possível antecipar despesas dentro de um determinado período e projetar a demanda futura de bens e/ou serviços oferecidos.

 

Previsões certeiras são essenciais para o planejamento

Podemos ver aplicação de forecast em quase todas as áreas, como: financeiro, RH, vendas e gerenciamento da produção. Certamente, quanto mais certeiras as previsões, mais eficaz será o planejamento. Como consequência, melhor será o aproveitamento dos recursos da empresa e retorno financeiro. 

Por isso, fazer do forecast o primeiro passo do processo decisório dá ao gestor a oportunidade de desenvolver estratégias de negócios melhores e de influenciar variáveis futuras em benefício da empresa.

 

Diferenças entre modelos qualitativos e quantitativos

De forma geral, os métodos de forecast seguem o mesmo processo. Primeiro, o problema ou evento a ser previsto é identificado (por exemplo: qual será o volume de vendas do produto X no primeiro semestre do próximo ano?). Em seguida, determina-se quais variáveis são relevantes para essa previsão e como os dados serão coletados. Então, o analista escolhe o modelo a ser utilizado. Depois, os dados são então analisados e as tendências são estimadas. Finalmente, verifica-se se a previsão de fato se concretiza e faz-se os ajustes necessários nas variáveis e análises. 

É muito mais comum o uso de técnicas qualitativas, porém elas nem sempre são as ideais. Além desses modelos, também há uma terceira possibilidade, que traz uma combinação do qualitativo e do quantitativo. Entenda:

 

Modelos Qualitativos

Os modelos qualitativos são também chamados de “modelos orientados por especialistas”. Esses métodos de forecast se valem do parecer de um ou mais agentes e/ou especialistas de mercado, ou ainda de um consenso do mercado como um todo para orientar a estratégia. 

Modelos qualitativos abrangem:

● Pesquisa de Mercado: uma grande amostra de pessoas é consultada a fim de prever a demanda de um produto/serviço específico antes de lançá-lo.

● Método Delphi: Diversos especialistas são consultados e as opiniões deles são compiladas em uma previsão.

Modelos qualitativos costumam ser assertivos para previsões de curto e curtíssimo prazo, porém quando se trata de horizontes de tempo maiores, a previsão torna-se limitada, pois carece de dados mensuráveis.

 

Modelos Quantitativos

Os modelos quantitativos levam em conta dados, médias e séries históricas. Eles incluem:

● Abordagem do indicador: analisa a relação entre dois ou mais indicadores financeiros ou de produtividade ao longo de determinado período. Com base na relação observada entre as variáveis, o comportamento futuro é estimado.

● Modelagem econométrica: é uma técnica matematicamente mais apurada. Ao invés de assumir que a relação entre as variáveis permanecerá a mesma, a modelagem econométrica testa a consistência dos conjuntos de dados e a influência que exercem uns sobre os outros. É utilizada com mais frequência no meio acadêmico, como maneira de avaliar políticas macroeconômicas.

● Séries temporais: metodologias de séries temporais utilizam dados passados para estimar eventos futuros. A diferença está no peso de cada indicador. Por exemplo, pode-se atribuir mais importância aos dados mais recentes ou excluir pontos díspares da análise. É a metodologia mais adaptável - e por isso mais comum - à previsão de negócios. Tem baixo custo e bom desempenho.

 

Conclusão

Independentemente do tipo de previsão que você usa, você pode aproveitar os insights para validar se está na trajetória certa e ajustar suas decisões de acordo. O forecast ajuda a mitigar o risco e a incerteza quando combinada com o planejamento do cenário. 

Quando feito de forma adequada, baseando-se em dados corretos, o forecast possibilita que a empresa ajuste suas estratégias e planeje com antecedência onde o orçamento será alocado. Isso definitivamente a torna mais competitiva. 

Porém, é importante ressaltar que dados errados podem culminar em previsões incoerentes. Então, é importante ter em mãos as ferramentas necessárias para dar suporte à coleta e análise de dados e ao processo decisório como um todo. Um bom aliado neste momento pode ser um software de planejamento financeiro. Entenda mais sobre como implementá-lo clicando aqui.

 

Leia Também

Um cenário pessimista na prática: COVID-19

25/03/2020

Um cenário pessimista na prática: COVID-19

Gestores de milhões de empresas em todo o mundo foram pegos de surpresa por uma situação que com certeza não passou pela cabeça de ninguém em meados de outubro de 2019, quando elaboraram o planejamento estratégico e orçamentário do ano seguinte: uma pandemia. [Leia mais]

Agenda 2020: Otimismo, tecnologia e crescimento empresarial

03/03/2020

Agenda 2020: Otimismo, tecnologia e crescimento empresarial

Recentemente, a Deloitte, empresa especializada em consultoria, auditoria e assessoria financeira, divulgou a pesquisa Agenda 2020, que aborda quais são as expectativas e intenções do mercado para o ano corrente. [Leia mais]

Epidemias e desastres ambientais podem impactar a sua empresa?

20/02/2020

Epidemias e desastres ambientais podem impactar a sua empresa?

Nenhuma empresa ou setor econômico está imune à crise ou alguma eventualidade que afete os negócios e, consequentemente, o planejamento orçamentário. [Leia mais]

Sobre a Allstrategy

A AllStrategy possui uma vasta experiência em transformar a gestão orçamentária de diversas empresas. No blog, reunimos o melhor conteúdo, com artigos exclusivos, que farão parte do seu dia a dia.