Como o planejamento estratégico ajudou o Olist a expandir seus negócios em 2020

Como o planejamento estratégico ajudou o Olist a expandir seus negócios em 2020
Publicado em 27/10/2020 - Atualizado em 23/04/2021 | Planejamento Orçamentário

Crises, incertezas, flutuações na economia e até mudanças repentinas. Os altos e baixos fazem parte do ciclo de vida na gestão de empresas duradouras. E, se por um lado vemos algumas sucumbirem à pressão e às situações adversas, de outro vemos empresas que não apenas resistem às crises, mas se reestruturam e crescem diante delas. O exemplo que trazemos hoje é do Olist, cliente AllStrategy que cresceu em meio à pandemia e está com planejamento para 2021 melhor do que previa um ano atrás.

O Olist tinha 10 mil lojistas parceiros no início da pandemia, e, atualmente, conta com mais de 20 mil, além de vender produtos para mais de 3 milhões de clientes em todo o país. Ou seja, dobraram a quantidade de lojistas em 7 meses. 

A startup curitibana traz uma solução de vendas que ajuda lojistas a diversificar os canais de venda e ganhar liquidez no e-commerce. Por meio da plataforma, as lojas podem anunciar seus produtos em mais de 10 sites diferentes, incluindo Mercado Livre, e centralizar a gestão de vendas, finanças e logística em um único local.

Para entender como foi esse processo, conversamos com a coordenadora de planejamento financeiro da startup, Isabella Negrini. Apesar da instabilidade da economia, ao mesmo tempo em que expandiu sua atuação no último semestre, o Olist também lançou uma série de ações para apoiar pequenas empresas que precisaram suspender as vendas físicas durante a pandemia do novo coronavírus.

Empresas como esta nos dão um exemplo sobre a importância da resiliência e de um bom planejamento. Confira!

 

Primeiras ações

No início da crise, diante da incerteza e da retração das vendas da Olist, a primeira ação foi refazer o planejamento orçamentário. Segundo Isabella, primeiramente, a intenção era deixar a operação a mais enxuta possível, mas sem demitir nenhum funcionário. Após essa primeira medida, a startup observou que, com a quarentena e a obrigatoriedade do fechamento das lojas físicas, o online seria a melhor saída para os comerciantes. 

Diante disso, a empresa antecipou o lançamento de produtos, como a solução do Olist Shops e alterou o pricing. Como forma de apoiar os lojistas em um momento delicado, a cobrança de adesão e de mensalidade foi zerada por três meses. Como resultado, a performance de vendas melhorou a cada semana e novos clientes não pararam de chegar.

“Começamos a sentir o efeito de crescimento a partir de abril, adquirindo clientes como nunca na história do Olist. Percebemos então que precisávamos investir mais em certas áreas da empresa para ‘surfarmos a onda’, e é o que temos feito desde então”, explicou a coordenadora de planejamento financeiro, Isabella Negrini. 

 

Adaptação e agilidade

Um planejamento financeiro flexível, que conseguisse se adaptar às necessidades do negócio de forma rápida, foi vital para o Olist contornar o cenário pessimista. “Do contrário, ou desperdiçaríamos a chance de crescer neste momento, ou perderíamos o controle do planejamento”, pontuou a coordenadora.

Para Isabella, a preparação para incertezas e crises vem muito antes delas ocorrerem. “Só se tem um bom planejamento se este considera a ocorrência de eventos indesejados ao longo do caminho. Se um planejamento não incorpora o efeito de incertezas, então ele é irreal e provavelmente inalcançável”, conclui. 

A afirmação da coordenadora do Olist confirma o que diz um artigo recente da Corporate Finance News and Events. Intitulado Finanças durante a crise: cinco lições dos CFOs (tradução livre), o texto ressalta a importância de uma função financeira adaptável e ágil que permita administrar a liquidez em um ambiente volátil e em tempo real. 

 

Adaptabilidade é fundamental

Para o empresário brasileiro, crises e incertezas fazem parte do jogo de empreender. Por esse motivo, a realidade do país e o histórico econômico devem ser balizadores para planos de contingência da empresa e planejamento de crise. 

Se avaliarmos o cenário econômico de 2014, entre as 30.939 empresas de alto crescimento no Brasil — ou seja, aquelas que apresentam crescimento médio de 20% durante dois triênios seguidos —, 3.965 (12,8%) mostraram-se resilientes. Os dados são de uma pesquisa do IBGE.

Esse estudo também revelou que, apesar da crise, as empresas resilientes geraram R$121,2 bilhões em receita líquida no ano seguinte. Do mesmo modo, contrataram 255.167 profissionais neste período em que o mercado, aparentemente, se encolhia.

Por este motivo, é importante que os gestores sempre saibam lidar com as mudanças rápidas do mercado e as empresas estejam preparadas para isso. Empresas resilientes são profundamente conectadas com a realidade, pois são flexíveis, abertas às mudanças e inovações. Ao mesmo tempo, estão sempre atentas a quaisquer sinais de oportunidade. 

Uma vez detectada a oportunidade, elas são capazes de reavaliar e adaptar o planejamento estratégico rapidamente, conduzindo ações coordenadas em todos os níveis da operação. Dessa forma, essas ações resultam em melhorias ou em novos produtos e serviços tão adaptados ao contexto que podem resultar em expansão do negócio e até mesmo de criar novos mercados.

A tecnologia hoje é uma das principais aliadas da gestão ágil das empresas que querem ser duradouras. Automatizar atividades como processamento de informações, controles e relatórios podem garantir a segurança dos dados, produzir informações para tomadas de decisões rápidas e aumentar a produtividade nas equipes, liberando gestores para, de fato, exercer a resiliência e promover mudanças rápidas e altamente eficazes.

 

Leia Também

A importância dos relatórios gerenciais para empresas de capital aberto

05/10/2021

A importância dos relatórios gerenciais para empresas de capital aberto

Todas as empresas de capital aberto devem apresentar relatórios gerenciais em períodos trimestral e anual. Essa exigência torna os resultados mais transparentes e acessíveis, além de prevenir ações fraudulentas na bolsa. [Leia mais]

Gestão empresarial e impostos: como reduzir a burocracia com a automação

10/09/2021

Gestão empresarial e impostos: como reduzir a burocracia com a automação

O Brasil é o país que mais gasta tempo com atividades relacionadas a impostos. Um bom planejamento nesta área deve considerar tributos federais, estaduais e municipais, impostos e taxas, entre outros valores que os gestores têm que estar atentos e que compõem uma gestão orçamentária eficiente. [Leia mais]

5 motivos para migrar planilhas para um software de planejamento estratégico

31/08/2021

5 motivos para migrar planilhas para um software de planejamento estratégico

Estima-se que entre 20% e 40% das planilhas usadas por organizações ao redor do mundo para controle financeiro possuem algum tipo de falha. Basta um erro de digitação na fórmula para comprometer os resultados do planejamento estratégico e causar prejuízos. [Leia mais]

Sobre a Allstrategy

A AllStrategy possui uma vasta experiência em transformar a gestão orçamentária de diversas empresas. No blog, reunimos o melhor conteúdo, com artigos exclusivos, que farão parte do seu dia a dia.