Lições da pandemia: empresas do varejo que transformaram a crise em oportunidade

Lições da pandemia: empresas do varejo que transformaram a crise em oportunidade
Publicado em 19/01/2021 - Atualizado em 12/03/2021 | Planejamento Orçamentário

É praticamente impossível falar sobre 2020 sem considerar que este foi um ano completamente atípico devido à pandemia da Covid-19. Diante da necessidade de isolamento social e com medidas rígidas de higiene e de segurança para evitar a propagação da doença, o mercado, principalmente o varejo, entrou em uma crise econômica global sem precedentes. 

Por outro lado, todos os setores precisaram se reinventar e, como resultado, as empresas mais atentas às mudanças mercadológicas e de tecnologia não só conseguiram se manter, como receberam grande destaque. Exemplo disso é o caso do Olist, cliente AllStrategy que contava com 10 mil lojistas parceiros no início da pandemia e conseguiu dobrar esse número em apenas 7 meses. Para isso, seu primeiro passo foi refazer o planejamento orçamentário.

Diante desse exemplo, podemos perceber que o planejamento estratégico bem organizado e a inovação se mostraram partes ainda mais importantes para sair forte de uma crise como a de 2020. Mas o que significa exatamente inovar em contextos de crise? Conheça abaixo outros cases de sucesso de empresas que se destacaram no ano marcado pela pandemia do novo coronavírus. 

 

Reserva  

A Reserva é uma marca de roupas masculinas que seguiu a estratégia de aumentar ainda mais sua presença on-line para atender o comportamento do consumidor em isolamento. Apesar de já ter um e-commerce bem estruturado, a empresa inovou ainda mais. Com as lojas físicas fechadas, todos os 600 funcionários migraram para o canal exclusivo de atendimento on-line da marca, chamado Now. 

Essa estratégia facilitou a comunicação entre empresa e cliente e, consequentemente, valorizou a experiência do consumidor. Com isso, as compras no e-commerce saltaram de 20% no período pré-pandemia, para 70% durante o isolamento social. 

Em entrevista ao site Infomoney, o CEO da marca, Rony Meisler, destacou que a motivação e o treinamento da equipe devem ser prioridade para que as entregas e o planejamento de vendas sejam cumpridos de maneira eficaz.  

 

Magazine Luiza  

Pensando em pequenos empresários e lojistas, o Magazine Luiza lançou, durante a pandemia, uma plataforma digital gratuita chamada Parceiro Magalu, que possibilita que os pequenos comerciantes ofereçam seus produtos tanto no site, quanto no aplicativo da companhia.  

O projeto estava previsto para operar dali a cinco meses, porém, após as indicações de isolamento social, foi executado em cinco dias. Segundo o CEO da empresa, Frederico Trajano, a digitalização do varejo se tornou ainda mais necessária durante a pandemia, principalmente para possibilitar que pequenos varejistas montem suas próprias lojas virtuais.  

Além disso, o Magazine Luiza foi uma das empresas com melhor avaliação durante a crise, segundo reportagem da Gazeta do Povo. Nesse período, a loja investiu em marketing, reforçando seus valores e se posicionando logo no início da pandemia.    

 

Nike  

Além de ter impulsionado suas operações on-line, a Nike divulgou seus quatro pilares estratégicos do setor de vendas na pandemia aos varejistas mundiais. São eles: 

  • Contenção, determinada pelo fechamento de lojas em larga escala; 
  • Recuperação, quando as lojas abrirem novamente; 
  • Normalização, através do retorno às condições pré-crise; 
  • Crescimento de vendas.  

Como resultado, o estudo e a criação de um planejamento estratégico para cada uma dessas fases, aliados ao fortalecimento digital da marca, acarretaram em uma expansão de 36% das vendas em seu comércio eletrônico, durante o primeiro trimestre da pandemia. 

 

Mercado Livre 

Assim como o Olist, o maior portal de comércio eletrônico bateu recorde de vendas em 2020, principalmente no terceiro trimestre do ano. O volume de vendas registrado pelo Mercado Livre entre julho e setembro chegou a US$ 5,9 bilhões, enquanto o total de usuários ativos cresceu 92,2%.  

Um dos movimentos que levou a esse crescimento foi o investimento em logística. Agora, a empresa possui até aviões em sua frota e, em alguns lugares, consegue fazer a entrega no dia seguinte da compra. Com isso, seu valor de mercado dobrou, atingindo impressionantes US$ 61,6 bilhões de dólares.    

 

Afinal, qual o segredo para driblar a crise?  

Segundo pesquisa realizada pela Harvard Business School, somente 9% das empresas saem mais fortes de recessões. O estudo analisou quase 5 mil empreendimentos durante três grandes recessões mundiais: a crise de 1980, a contração de 1990 e o colapso de 2000.  

Mas o que as empresas bem-sucedidas têm em comum que as fazem crescer até em momentos críticos do mercado? O levantamento estudou as estratégias destas corporações e verificou que elas adotaram de maneira balanceada medidas de sobrevivência e de investimento em um futuro pós-crise.  

Ou seja, estas empresas reduziram custos, mas não cortaram de maneira drástica o número de funcionários. Os ajustes focaram na melhoria da eficiência operacional. Além disso, também investiram em pesquisa e desenvolvimento, marketing e, claro, em inovação e tecnologia.  

Como não sabemos o cenário que 2021 trará para os negócios, é importante que as empresas tenham uma visão clara de sua situação, entendam os possíveis cenários e estejam preparadas para tomadas de decisão rápidas. Um bom planejamento orçamentário e uma preparação para diferentes cenários críticos são essenciais para controlar os possíveis prejuízos.

 

Leia Também

A importância dos relatórios gerenciais para empresas de capital aberto

05/10/2021

A importância dos relatórios gerenciais para empresas de capital aberto

Todas as empresas de capital aberto devem apresentar relatórios gerenciais em períodos trimestral e anual. Essa exigência torna os resultados mais transparentes e acessíveis, além de prevenir ações fraudulentas na bolsa. [Leia mais]

Gestão empresarial e impostos: como reduzir a burocracia com a automação

10/09/2021

Gestão empresarial e impostos: como reduzir a burocracia com a automação

O Brasil é o país que mais gasta tempo com atividades relacionadas a impostos. Um bom planejamento nesta área deve considerar tributos federais, estaduais e municipais, impostos e taxas, entre outros valores que os gestores têm que estar atentos e que compõem uma gestão orçamentária eficiente. [Leia mais]

5 motivos para migrar planilhas para um software de planejamento estratégico

31/08/2021

5 motivos para migrar planilhas para um software de planejamento estratégico

Estima-se que entre 20% e 40% das planilhas usadas por organizações ao redor do mundo para controle financeiro possuem algum tipo de falha. Basta um erro de digitação na fórmula para comprometer os resultados do planejamento estratégico e causar prejuízos. [Leia mais]

Sobre a Allstrategy

A AllStrategy possui uma vasta experiência em transformar a gestão orçamentária de diversas empresas. No blog, reunimos o melhor conteúdo, com artigos exclusivos, que farão parte do seu dia a dia.