Blog, Gestão Empresarial

O que é alavancagem financeira e como usar na empresa

Entre os desafios mais comuns que empreendedores e gestores empresariais enfrentam está a gestão financeira. Para solucionar essa questão, há diversas ferramentas e técnicas que podem ser aplicadas e a alavancagem financeira é uma das estratégias que tem se destacado no mundo dos negócios.

Software Alstrategy PlanoAinda assim, aplicar a alavancagem financeira de forma eficiente é essencial para que a empresa tenha uma boa gestão financeira, com um planejamento sólido e bem estruturado. Depois, é importante avaliar os riscos envolvidos e tomar decisões com base em análises cuidadosas.

Neste artigo, entenda o que é essa estratégia, como funciona e quais seus riscos para a gestão.

O que é alavancagem financeira?

Trata-se de uma estratégia que envolve o uso de capital próprio e de terceiros para potencializar os recursos de um negócio. Esta solução permite às empresas obterem recursos adicionais para investimentos, sem a necessidade de aumentar o orçamento empresarial.

Assim, é uma forma de multiplicar os resultados com um mesmo investimento inicial. O principal objetivo é maximizar o lucro e o retorno sobre o capital investido. Para tanto, é necessário que os investimentos gerem um retorno superior ao custo do que foi utilizado.

Deve-se ressaltar que, apesar de ser uma estratégia vantajosa, ela também envolve riscos, principalmente relacionados à possibilidade de endividamento excessivo.

Como funciona na empresa?

A alavancagem financeira pode ser aplicada de variadas formas. Após feita uma análise, uma das opções mais comuns é o uso de empréstimos bancários para financiar investimentos.

A empresa usa parte de seu capital próprio para realizar um investimento e, ao mesmo tempo, contrai um empréstimo para complementar o valor necessário.

Suponha que a organização deseje investir R$ 100 mil em um novo projeto. Ao optar por utilizar somente o capital próprio, o retorno esperado será de 10%. Ou seja, o lucro gerado será de R$ 10 mil.

Por outro lado, se os gestores optarem por utilizar R$ 50 mil de capital próprio e contrair um empréstimo de R$ 50 mil, com uma taxa de juros de 5%, o retorno esperado será de 20%. Nesse caso, o lucro gerado será de R$ 20 mil, ou seja, o dobro do que seria obtido apenas com o capital próprio.

Quais os riscos do processo?

A alavancagem financeira pode ser uma ferramenta interessante para potencializar os investimentos de uma empresa, mas também envolve riscos ao fluxo de caixa, como:

  • Endividamento excessivo: se a empresa contrair empréstimos em excesso e não conseguir pagar as dívidas, pode acabar falindo;
  • Custo dos empréstimos: caso a empresa não consiga obter um retorno sobre o investimento superior à taxa de juros dos empréstimos, pode sofrer prejuízos, além de se tornar mais vulnerável às mudanças no mercado e a crises econômicas;
  • Perda do controle financeiro: ao adquirir capital de terceiros, a empresa também pode abrir mão de parte do seu controle. Isso pode limitar a liberdade da gestão para tomar decisões estratégicas e aumentar a pressão dos credores sobre a empresa;
  • Impacto na imagem da empresa: caso não consiga honrar suas dívidas, pode afetar negativamente a sua imagem perante o mercado e os clientes, comprometendo a sua reputação e capacidade de atrair novos investimentos;
  • Risco cambial: se a empresa adquirir empréstimos em moeda estrangeira, está sujeita às oscilações cambiais, que podem impactar o balanço financeiro.

Diferença entre alavancagem financeira e alavancagem operacional

Apesar dos nomes semelhantes, a alavancagem financeira e a alavancagem operacional possuem conceitos diferentes. A primeira refere-se à utilização de recursos financeiros externos para ampliar os investimentos de uma empresa.

Enquanto a alavancagem operacional envolve a otimização dos recursos internos da empresa para maximizar a sua rentabilidade. Confira mais algumas diferenças:

  • Fonte de recursos: enquanto a alavancagem financeira se baseia no uso de capital de terceiros para aumentar a capacidade produtiva, a operacional utiliza os recursos internos da empresa como processos, tecnologias, infraestrutura e recursos humanos,
  • Foco na estrutura de capital: a alavancagem financeira está diretamente relacionada à estrutura de capital da empresa, já que envolve a obtenção de empréstimos e financiamentos, enquanto a operacional se concentra na otimização dos processos e da gestão interna;
  • Risco e retorno: a alavancagem financeira envolve um maior risco, já que a empresa está assumindo dívidas e compromissos financeiros com terceiros. Por outro lado, também pode gerar um retorno maior, caso a empresa seja bem-sucedida em seus investimentos. Já a operacional, envolve um risco menor, já que utiliza recursos internos da empresa, mas também oferece um retorno menor;
  • Flexibilidade: a alavancagem financeira pode ser mais flexível do que a alavancagem operacional, já que a empresa pode escolher como utilizar os recursos obtidos com os empréstimos. Por outro lado, a operacional pode ser mais difícil de implementar a curto prazo, já que envolve mudanças na gestão e nos processos internos da empresa.

Suporte da tecnologia na gestão financeira

Considerada uma estratégia para as empresas, a alavancagem financeira visa fomentar os investimentos e aumentar os lucros organizacionais. Porém, esta é uma opção que também envolve riscos que precisam ser considerados.

Portanto, uma boa gestão orçamentária é fundamental para garantir que a empresa esteja utilizando a alavancagem financeira de forma responsável e consciente.

Para apoiar as empresas a aplicar a estratégia de maneira eficiente, existem diversas ferramentas, como o AllStrategy Plano. Com a plataforma, as empresas podem fazer um planejamento financeiro automatizado, monitorar seus resultados e tomar decisões mais embasadas em dados confiáveis.

Conheça mais sobre o AllStrategy Plano e como ele pode ajudar o seu negócio.

GOSTOU? COMPARTILHE ESTE ARTIGO!
Tags: Alavancagem financeira, Allstrategy, Software Plano

Blog mais lidos