Blog, Gestão Empresarial

Compliance: qual a importância para sua empresa?

Compliance: qual a importância para sua empresa?

O compliance vem se tornando um dos principais recursos para combater práticas ilegais e desvios de corrupção nas organizações. Conforme o relatório Definitive Risk & Compliance Benchmark Report 2021, desenvolvido pela Navex, as empresas estão cada vez mais atentas e buscando ferramentas para praticar o conceito e buscar sua evolução.

No período de apenas um ano, o relatório destaca um aumento de 29% em programas de compliance avançados. Portanto, a necessidade de “sair do básico” para, então, amadurecer a prática e torná-la rotineira nas empresas, tem aumentado, demonstrando a sua eficiência em diversas áreas — principalmente na gestão orçamentária.

Mas afinal, o que é exatamente compliance? Em termos simples, consiste em um conjunto de normas e condutas, que devem ser seguidas pela empresa e seus colaboradores, para cumprir com as obrigações dos órgãos de regulamentação. Seu conceito tem como foco gerar mais valor ao negócio, para garantir a sua sustentabilidade e diferencial competitivo.

Neste conteúdo, você vai entender melhor o que é o compliance nas empresas e qual é o seu papel, além dos pilares que norteiam a prática, como implementá-la e trazer a tecnologia como poderosa aliada no processo para quem deseja começar — ou evoluir — o conceito internamente. Boa leitura!

Software Alstrategy Fluxo

O que é compliance nas empresas?

Compliance é um termo em inglês que, traduzido, significa “estar em conformidade”. Após a aprovação da Lei 12.846, em 2013, que discorre sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas, o conceito tornou-se cada vez mais necessário para as empresas, já que a prática demonstra que a organização está em conformidade em termos éticos e legais no contexto da gestão empresarial.

Neste sentido, é importante destacar que o conceito abrange não apenas as empresas, como também seus colaboradores. É essencial que, para ser aplicado de maneira eficiente, seus funcionários também se comportem adequadamente, garantindo o cumprimento das normas e deveres internos.

Na prática, imagine uma empresa que atua no segmento de construção. Para garantir a segurança dos colaboradores, é necessário cumprir normas regulamentadoras de segurança de saúde e do trabalho. Assim, o compliance atua para garantir que tais normas sejam atendidas e proteja a empresa de possíveis punições em caso de descumprimento.

Qual o papel do compliance?

Para entender seu papel nas empresas, vale relembrar o que levou o conceito a tornar-se tão relevante no universo corporativo. Em um cenário no qual as iniciativas anticorrupção surgem, o compliance tem o papel de criar mecanismos para prevenção de problemas de todos os tipos nas organizações.

Com tantos processos internos que envolvem desde leis trabalhistas, até prestação de contas e gestão orçamentária, muitas são as oportunidades de erro humano durante o caminho. Por isso, o compliance também tem papel fundamental de garantir que as normas estejam sendo cumpridas e evitar o enfraquecimento da empresa no mercado.

Quais os pilares do compliance?

Após o conceito ser amplamente difundido com a aprovação da Lei 12.846, o decreto nº 8.420, de 2015, ajudou as empresas que estavam aderindo à prática definindo alguns pilares para, assim, criar um “ponto de partida” com conceitos essenciais da prática do compliance. Confira alguns deles:

  • Comprometimento da alta direção da empresa: o exemplo precisa começar de cima, portanto, a liderança precisa estar engajada na iniciativa;
  • Métodos de avaliação de riscos de atividades: definir ferramentas para mensurar os riscos das ações realizadas;
  • Implantação de política de compliance: códigos de conduta para nortear as ações;
  • Controle interno das atividades: acompanhamento das tarefas para garantir que as normas estão sendo cumpridas;
  • Comunicação e treinamento para gestores e colaboradores: além de difundir a importância da prática, também é necessário treiná-los para garantir que eles consigam identificar práticas dissonantes da conduta da empresa;
  • Canais de denúncia: um espaço disponível, garantindo a segurança dos colaboradores;
  • Investigação interna: capacidade de apurar as denúncias realizadas no canal;
  • Due dilligence: processo legal investigativo sobre informações de determinada empresa (para fechar um negócio, por exemplo);
  • Auditoria e monitoramento: para manutenção da prática.

Como implantar o compliance nas empresas?

Agora que você já sabe o papel do compliance e sua importância para a organização, confira como dar o primeiro passo para implementar a prática na sua empresa:

  1. Comece com um código de conduta, para ter um “referencial” de práticas que podem ou não serem realizadas na empresa, com uma linguagem acessível e direta;
  2. A partir do código, é hora de disseminá-lo pela organização e reforçar a importância de segui-lo, principalmente com as lideranças — o exemplo vem de cima;
  3. Crie canais de denúncias internos, que possibilite aos colaboradores compartilharem casos dissonantes do código de conduta de maneira sigilosa;
  4. Reforce a idoneidade do negócio: a empresa não se envolve com atividades moralmente questionáveis.

Tecnologia como aliada do compliance

Como se pôde perceber até aqui, é fato que a prática exige um monitoramento contínuo para ser feita de maneira eficiente. Afinal, existem diversos tipos de compliance (como o fiscal e tributário, por exemplo) e acompanhar a necessidade de cada um deles pode ser uma atividade bastante complexa para a empresa.

Em contrapartida, a tecnologia surge como uma forte aliada para implementar a prática. Com alguns sistemas de gestão orçamentária, por exemplo, é possível ter mais segurança e confiabilidade nos dados da organização.

Assim, com informações claras de cada atividade e seus impactos no orçamento como um todo, é possível traçar estratégias mais assertivas.

Softwares para facilitar a prática

Podemos concluir então que o compliance está cada vez mais difundido nas empresas. Negócios que ainda não investem na prática e no seu amadurecimento, podem sentir seus impactos, desde a gestão orçamentária, até no comportamento dos colaboradores.

Sendo assim, é fundamental mergulhar neste conceito para garantir o diferencial competitivo. Para isso, a automação pode ser uma forma eficaz para tornar a prática mais acessível.

O Software Plano, por exemplo, é uma solução automatizada para apoiar na implantação de novas práticas no seu negócio e uma ferramenta capaz de otimizar a gestão da empresa em apenas um só sistema.

Software Alstrategy Plano

GOSTOU? COMPARTILHE ESTE ARTIGO!
Tags: Compliance, controladoria, planejamento financeiro, tesouraria

Blog mais lidos