Gestão empresarial: Quais são seus desejos para 2017?

O réveillon se aproxima e com ele aquela pergunta clichê que se repete ano a ano: Quais são suas metas para 2017? Nessa época, é normal já pensar nos desejos que serão silenciosamente mentalizados ao pular as sete ondinhas ou ao comer as sete uvas.

Você já sabe o que irá desejar na virada do ano?

Superstições a parte, a grande maioria das pessoas esperam com expectativa para a chegada do próximo período, traçando metas e objetivos que deverão ser alcançados ao longo do ano, mesmo que em grande parte das vezes, tais planos não aconteçam.

Na vida, nem sempre as coisas saem como o planejado, mas para uma empresa, metas e objetivos são um assunto sério. Bem antes do final do ano, muitas instituições desenvolvem o planejamento estratégico, definindo qual será o orçamento empresarial para unidades e centros de custo.

 

Planejar para evitar surpresas

Profissionais de controladoria e gestão não podem se dar ao luxo de simplesmente esperar que as coisas deem certo, que a economia aqueça, que a empresa venda bastante e a instituição cresça. O planejamento orçamentário é importante para um melhor controle do budget.

Para que não aconteça desperdício de verba, nem má administração financeira, é necessário realizar uma análise de DRE aprofundada para uma gestão inteligente de despesas. Realizar o planejamento de RH a partir da projeção da folha de pagamento, para conciliar encargos comuns ao setor e estes não acumulem com outras despesas da empresa.

 

Além disso, o planejamento de vendas, investimentos e a projeção de fluxo de caixa são importantes para determinar as necessidades reais de cada centro de custo, projetando metas e objetivos, receitas e investimentos para o período. A projeção de cenários é um recurso muito utilizado para preparar a empresa para possíveis oscilações econômicas e para trajetórias almejadas pela diretoria.

 

Em 2017, saia na frente

Enquanto muitas empresas ainda estão presas a planilhas, levando o dobro de tempo na projeção orçamentária e submetendo o planejamento financeiro à uma série de riscos, outras tantas já aderiram aos softwares de gestão orçamentária. Além de proporcionar uma melhor gestão do tempo, tais ferramentas possibilitam a análise de performance do planejado x realizado.

As vantagens não param por aí. Ainda é possível determinar indicadores de desempenho e desenvolver planos de ação. Os relatórios são de fácil visualização e dashboards com atualizações em tempo real. As consolidações de resultados são muito mais rápidas e é possível projetar cenários em até 30 segundos.

E se a preocupação for segurança, esse também é um ponto positivo. Toda a movimentação fica registrada no sistema e é o administrador quem define os usuários que irão utilizar o software, definindo inclusive os dispositivos e horários de acesso. Há modelos com armazenamento na nuvem, que proporcionam muito mais mobilidade ao gestor a custo acessível para as empresas.

 

Se você gostou desse artigo, compartilhe em suas redes sociais. Deixe seu comentário abaixo.